5G! O que você precisa saber sobre isso por enquanto...


Hoje foi noticiado, em vários portais, que o 5G finalmente passa a funcionar no Brasil, e Brasília foi escolhida como a primeira cidade a ter a tecnologia. Alguns moradores até postaram testes de velocidade feitos pela cidade, atingindo valores superiores a 1000 Mbps. Só como referência, imagine que essa é uma velocidade 5 vezes maior que o pacote mais oferecido atualmente para acesso residencial, por meio de fibras óticas (200Mbps). Mas, tirando entusiastas da tecnologia e jogadores de e-sports, muita gente ainda acha que o 5G não tem qualquer impacto em suas vidas e em seus negócios.


A conectividade é, sem dúvida, a maior expressão da evolução humana. De fato, os seres humanos evoluem porque se comunicam.


Saiba que “depois que o fogo foi descoberto e compartilhado não precisou ser redescoberto, apenas comunicado”.

Seguindo essa linha, sem a conectividade, jamais estaríamos onde estamos hoje.


Quando iniciei esse artigo, me prometi que não ia começar com o tradicional “o mundo mudou após a pandemia”. Mas, não podemos esquecer que por conta desta, as telecomunicações foram nosso porto seguro no que se refere à continuidade da sociedade. Trabalho, estudos, entretenimento, compras. Tudo passou a depender da internet. A verdade é que a comunicação digital tornou possível seguir com nossas rotinas. Bem ou mal, a internet nos salvou e como mais de 80% do acesso é feito por aparelhos celulares, podemos concluir que a rede celular nos salvou.


Indo direto ao ponto, o 5G não será apenas “mais um G” porque, pela primeira vez, uma rede celular foi pensada levando em consideração também a conexão entre máquinas e equipamentos, além da conexão entre pessoas.

Em outras palavras, uma das grandes transformações que teremos é a possiblidade de objetos do dia a dia trocarem mensagens diretamente entre si, usando a rede 5G como meio. Isso implica desbloquearmos alguns “smarts” por aí, incluindo as smart cities, smart objects, smart homes e por aí vai.


E para quem diz que dá para fazer tudo isso com o wi-fi, experimente mudar todas as lâmpadas e tomadas da sua casa por versões inteligentes e você vai entender sobre o que estamos falando. Ligar e configurar a senha da wi-fi em 40 ou 50 objetos não é nem um pouco prático. Imagine agora que esse número salta para 10 ou 20 mil equipamentos, quando estamos falando de um pequeno bairro inteligente. Aqui a coisa começa a ficar diferente com o 5G. Basta pôr o produto inteligente na tomada e ele já estará conectado à rede. Isso muda tudo!


Na realidade a rede 5G virá com 03 perfis de trabalho distintos, dependendo da aplicação que se deseja: um focado em Alta Velocidade; um centrado em Alta Disponibilidade; e outro com foco em Alta Confiabilidade. E claro, que esses perfis não trabalharão simultaneamente.


Por exemplo, se eu quero conectar milhares de pequenos sensores por quilômetro quadrado, não necessito de altas velocidades, mas sim de alta disponibilidade de rede, com boa gestão de bateria (esse é o perfil Massive Machine Type Communications). Se por outro lado, eu estou fazendo uma cirurgia remota, vou precisar de alta confiabilidade na conexão (esse é o perfil Ultra Reliable Low Latency Communications). Agora, se tenho uma câmera de vigilância coletando imagens de ultra alta resolução em uma fábrica, precisarei de altas velocidades de acesso (esse é o perfil Enhanced Mobile Broadband).


A boa notícia é que, a princípio, você não precisará configurar nada disso, já que tudo será controlado dinamicamente pela inteligência da rede. Aliás, aqui está a segunda grande diferença para as gerações anteriores: a rede 5G possui a capacidade de alocar, em tempo real, os recursos necessários para atender a demanda do usuário naquele momento. Então, se você estiver vendo um vídeo de alta resolução no YouTube enquanto outra pessoa ao lado está apenas “teclando” no Whatsapp, a rede designará o recurso certo para cada um desses usuários em tempo real, otimizando o acesso de cada um e expandindo a capacidade de atender mais pessoas. Isso é chamado de network slicing.


A essa altura acho que você já está começando a entender o poder de uma rede que, além da ampla cobertura e confiabilidade, vai trazer para o usuário a capacidade de interagir com objetos do dia a dia, usando seu smartphone ou smartwatch. Pense, por exemplo, que sua geladeira “saberá” que você está no mercado e lhe enviará uma notificação que está faltando leite em casa. Ou, que o café do outro lado da rua já faz uso da rede 5G para conectar o caixa ao smartphone do cliente, dispensando filas. Que a pizzaria da esquina já envia as pizzas por drones conectados ao 5G, ao invés do tradicional motoboy. Que a loja do shopping já usa o recurso de conexão máquina a máquina para enviar diretamente ao celular do cliente uma oferta, por ele estar passando em frente à mesma. Varejo, Seguros, Viagens, Indústrias, Segurança, Saúde, absolutamente tudo será impactado por essa nova realidade.


Existe ainda um aspecto que talvez represente o maior valor comercial quando se fala em 5G: redes privadas! É isso mesmo: a possiblidade de você ter sua própria rede 5G, no seu parque industrial, na sua fazenda ou outro ambiente, sem ter que depender necessariamente da operadora para isso. Na China, a Bosch está construindo uma fábrica, com suas máquinas comunicando-se entre si por 5G. A Volkswagen e a Basf também estão no mesmo caminho. Na Inglaterra, a Universidade Harper Adams, está criando uma plantação totalmente automatizada de cultivo de cereais, com colheitadeiras, tratores e drones conectados a uma rede 5G privada, além dos sensores no solo fornecendo informações para o monitoramento à distância. A fábrica da Ericsson Panda, localizada na China, está conectando mais da metade de suas mil chaves de fenda de alta precisão à rede privada, com todas as estações de trabalho se comunicando sem fio!


Se a tecnologia é o domínio das possibilidades, podemos dizer, seguramente, que com o 5G essas possibilidades serão quase infinitas. Eletrodomésticos, carros e equipamentos em geral se comunicando entre si e com seus usuários, melhorando drasticamente a experiência do usuário.


Será que se eu puder comprar um tênis usando óculos de realidade virtual conectado ao 5G, eu ainda me daria ao trabalho de ir à sua loja para fazer a compra? E se na padaria da concorrência, eu tiver acesso à telemetria do forno que me diz em quantos minutos sai o pão quentinho, será que eu vou continuar frequentando a sua padaria?


Hoje é apenas o primeiro dia do 5G. Mas, não faz muito tempo, tivemos o primeiro dia do 4G, que logo em seguida desbloqueou aplicações como UBER, IFOOD e muitas outras que não eram possíveis antes da chegada desta tecnologia.


Então se você ainda acha que o 5G não tem nada que ver com você, lembre-se o seguinte: existem 03 tipos de pessoas no mundo: as que fazem acontecer; as que ficam vendo as coisas acontecerem; e as que se perguntam o que aconteceu…